Be my Valentine

Minha Namorada

Vinicius de Moraes

Se você quer ser minha namorada
Ah, que linda namorada
Você poderia ser
Se quiser ser somente minha
Exatamente essa coisinha
Essa coisa toda minha
Que ninguém mais pode ser

Você tem que me fazer um juramento
De só ter um pensamento
Ser só minha até morrer
E também de não perder esse jeitinho
De falar devagarinho
Essas histórias de você
E de repente me fazer muito carinho
E chorar bem de mansinho
Sem ninguém saber por quê

Porém, se mais do que minha namorada
Você quer ser minha amada
Minha amada, mas amada pra valer
Aquela amada pelo amor predestinada
Sem a qual a vida é nada
Sem a qual se quer morrer

Você tem que vir comigo em meu caminho
E talvez o meu caminho seja triste pra você
Os seus olhos têm que ser só dos meus olhos
Os seus braços o meu ninho
No silêncio de depois
E você tem que ser a estrela derradeira
Minha amiga e companheira
No infinito de nós dois

Não resistas ao Mal

A pulsão de vida e a busca constante pelo prazer são os princípios que movem todos os seres para a evolução.

Como o homem é condicionado para a dualidade, ele escolhe evitar e rejeitar tudo que lhe dá desprazer e desconforto. Evitamos sentir desprazer desde o momento do nosso nascimento e isso vai se intensificando durante a nossa vida, onde experiências desagradáveis e dolorosas são inevitáveis.

Esse processo leva à negação da realidade, à distorção da mesma e a construção de defesas contra o sofrimento. Isso tem início na infância. Todas as crianças sofrem e ficam magoadas porque não possuem maturidade biológica e psíquica para entenderem a realidade como ela é e por não conseguirem expressar o que sentem.

Quando magoada, a criança, sem ter consciência, coloca sua força vital e erótica a serviço de evitar as emoções que emergem e que ela sente como insuportáveis. Dessa maneira, a força vital que deveria movê-la para fora, para expansão, é associada à defesa contra a dor. Assim ela contrai suas emoções.

É justamente essa contração, o NÃO interno que levamos conosco pela vida afora.

Esse NÃO que carregamos dentro de nós, cria diversas dificuldades pessoais e circunstancias de vida indesejáveis.

Esse NÃO está lá cada vez que vc diz: ” eu não consigo mudar…”, ” eu não consigo ser diferente…” ” eu não posso….”

Há nesse sentimento de impotência uma potência oculta, forte e poderosa sustentando essa aparente fragilidade e vitimização. Portanto, há um investimento da força do prazer que foi posto a serviço da mágoa e da negação da realidade. Tudo isso acontece a nível inconsciente, fora da lógica racional.

Assim, ao tomar conhecimento desse processo, procure perceber em si essa conexão de sua força vital (prazer) e suas negatividades ( medos, sentimentos de rejeição, humilhação, inseguranças, desamparo, etc).

Perceba com sinceridade onde, lá dentro, vc se sente energizado quando está sofrendo. Ao investigar essa dinâmica interna e reconhecer o NÃO inconsciente, talvez você chegue a compreensão do verdadeiro núcleo dos seus conflitos e sofrimentos.

Experimente trocar o “não posso…” e o ” não consigo” pelo ” não quero!” Vc verá que esse NÃO inconsciente ganhará luz e perderá sua força e contração. É a má interpretação do que ocorre conosco e a consequente não aceitação da dor, o que que cria essa condição para o NÃO interno.

A crueldade e a agressividade, sem a união com o princípio do prazer, não teriam essa força real operando sobre a humanidade.

Foto: reprodução