Expo Impressionismo e a Moda_Musée D’Orsay

Está em cartaz no Musée D’Orsay até o fim de janeiro de 2013 a exposição O Impressionismo e a Moda. O museu já vale a visita, considero um dos mais belos museus de Paris. O local era uma antiga estação de trem que foi transformada para a exposição universal de 1900. De frente para o Sena e para o Jardin des Tuileries, o museu criou uma cenografia toda especial para abrigar a exposição de como o impressionismo registrou a moda.

Nenhuma expo até agora tinha abordado a história entre o impressionismo e a moda.  A moda nos tempo dos impressionistas estava em pleno período de revolução industrial. Tudo mudava muito rápido, a modernidade chegava aos automóveis, os apartamentos mudavam de estilo e a moda se cobria de detalhes, babados e cores – um grande delírio de possibilidades – as pessoas começavam a ter um poder de compras maior e as classes sociais ficavam menos marcadas porque era a época de transições constantes de monarquia à republica, além de estar mais acessível graças aos “grands magasins” como o Bon Marche, La Samaritaine e Printemps que ofereciam cada vez mais produtos de prêt-a-porter com uma variedade enorme e ainda  tinham o papel de difundir o que estava em voga no momento e acabavam por facilitar e modernizar a moda da época.

O século dos impressionistas que amavam as mulheres foi a época da moda e a sua modernidade. A  parisiense era a ícone desse amor e se tornou uma personagem emblemática que trazia o fenômeno da moda.  Os impressionistas estavam lá para registrar, testemunhar e imortalizar os modelos, os estilos e os tecidos.

A frase de Beaudelaire, presente na expo, diz que “a Parisiense não está na moda, ela é a moda”. Pode parecer um pouco pretensiosa, ao mesmo tempo, traduz uma atitude em relação ao mundo, ao modo de se vestir, à moda e de saber misturar tudo nos momentos certos. De Renoir a Manet, de Monet a Degas, os grandes nomes do impressionismo imortalizaram tecidos, cores e os códigos de vestimentas de uma época: robe de matin, desabiller, robe de ville, robe de bal ou robe de jardin.

O objetivo desses artistas era retratar instantâneos do dia-a-dia tanto na cidade como no campo. Como se os personagens não soubessem que estavam sendo pintados estavam à vontade em cenas cotidianas. Havia movimento em cada detalhe e a moda estava inserida nesse contexto da época e de modernidade. A percepção do tecido de uma pintura impressionista através de do jogo de luz é inacreditável! Podemos perceber se o tecido do vestido é de musseline, de seda ou um simples algodão.

Uma viagem nos tempo para os amantes da moda e do impressionismo. A exposição também conta com uma cenografia maravilhosa que compõe os vários ambientes e temas das telas. Uma exposição imperdível que de Paris ainda vai viajar para NY e Chicago em 2013.

http://impressionnisme-mode.musee-orsay.fr/

Dafne: www.parisbranchee.blogspot.com